sexta, 22 de novembro de 2019

Suspeitos de latrocínio são apresentados pela Polícia Civil em Aparecida

Suspeitos de latrocínio são apresentados pela Polícia Civil em Aparecida
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Suspeitos de latrocínio são apresentados pela Polícia Civil em Aparecida

Nesta segunda-feira (08/10), a Polícia Civil de Goiás apresentou o suposto mandante e os dois executores da empresária Shirley da Silva Gonçalves, de 35 anos, que foi assassinada no dia 4 de Outubro dentro de casa na frente do marido e de dois filhos.

A principal linha de investigação é a de latrocínio, roubo seguido de morte. O delegado Diogo Barreira do 4º Distrito Policial de Aparecida de Goiânia não dá a investigação por concluída.

Josué de Sousa Mota, de 22 anos, foi preso suspeito de ter armado o roubo. Ele era funcionário de um restaurante onde o marido de Shirley trabalhava como gerente.

Além dele, a polícia prendeu Bruno Teixeira dos Santos Neto, de 21 anos, e Pedro Henrique Batista Goulart, de 24 anos. De acordo com as investigações, os dois invadiram a casa, que fica no Jardim Buriti Sereno, para roubar R$ 7 mil, e ao serem surpreendidos com a chegada do casal e dos dois filhos deles, mataram Shirley com dois tiros.

“A princípio dois assaltantes que foram presos no dia seguinte ao crime contaram que o Josué falou para eles que sabia que o marido da Shirley guardava dinheiro em casa para o pagamento dos funcionários, ocasião em que arquitetou o roubo, e convidou Bruno e Pedro Henrique para executá-lo. Mas funcionários e familiares da Shirley contaram aqui que nunca ouviram o marido dela falar sobre dinheiro guardado em casa para ninguém”, relatou.

Josué, Bruno e Pedro Henrique responderão por latrocínio, crime que tem pena prevista de 20 a até 30 anos de reclusão.

Foto: André Costa/Polícia Civil/Divulgação