quinta, 13 de dezembro de 2018

Prisão de ex-juiz eleitoral, sócio de empresa contratada para recolher lixo do hospital foi decretada pela justiça

Prisão de ex-juiz eleitoral, sócio de empresa contratada para recolher lixo do hospital foi decretada pela justiça
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Prisão de ex-juiz eleitoral, sócio de empresa contratada para recolher lixo do hospital foi decretada pela justiça

Foi decretada pela justiça a prisão do ex-juiz eleitoral João Olinto Garcia de Oliveira, pai do deputado estadual Olytho Neto (PSDB) pela por suspeita de organização criminosa e crime ambiental. Na manhã desta segunda-feira (12/11), em Araguaína, alguns policiais fizeram buscas no hotel, de propriedade dele. A suspeita é que ele tenha fugido por um matagal e ainda não foi encontrado, segundo o delegado regional Bruno Boaventura.

João Olinto exerceu sua função de juiz eleitoral entre 7 de agosto de 2012 a 21 de novembro de 2014. Ele foi apontado como sócio da empresa Sancil Sanantonio Construtora e Incorporadora LTDA, contratada sem uma licitação para coletar o lixo do Hospital Regional de Araguaína. No dia 6 de agosto desse ano foi publicado no Diário Oficial do Estado, o contrato feito. O valor mensal pelo serviço ultrapassa R$ 500 mil. É negado por ele que tenha algum vínculo com a empresa.

É investigado pela Polícia Civil a relação dessa empresa com o galpão onde foram encontradas mais de 200 toneladas de lixo na quarta-feira (7) da semana passada. A polícia suspeita que esses resíduos sejam do hospital regional, o maior hospital público da região norte do estado.

Segundo a Polícia Civil, o galpão pertenceria ao deputado estadual Olynto Neto e filho do ex-juiz eleitoral. Deveria funcionar no local uma fábrica de farinha, porém a estrutura está desativada oficialmente há pelo menos dez anos. As duas empresas estão registradas no endereço e ambas estão no nome do parlamentar.

Na semana passada, depois que encontraram seringas, ampolas de remédio e curativos, fiscais do meio ambiente e a Defesa Civil municipal interditaram o depósito clandestino.

Por: Gabriela Andrade – Da Redação