sexta, 15 de fevereiro de 2019

Preso envolvido em assassinato no Campus da UFG, em Goiânia

Preso envolvido em assassinato no Campus da UFG, em Goiânia
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Preso envolvido em assassinato no Campus da UFG, em Goiânia

Câmeras de segurança, que flagraram a execução, e a fuga dos atiradores, ajudaram a Polícia Civil a identificar os responsáveis pelo assassinato de Luiz Carlos Pereira Castro, de 19 anos, que foi morto com quatro tiros na manhã do último dia 5 de junho, dentro do Campus Samambaia, da Universidade Federal de Goiás, no Conjunto Itatiaia, em Goiânia.

O autor dos disparos foi morto em confronto com a Polícia Militar em Caldas Novas, e o jovem que teria atraído a vítima ao Campus acabou preso no último final de semana. Pedro Henrique Garcia Costa, de 20 anos, segundo o delegado Marco Aurélio Euzébio Ferreira, adjunto da Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios (DIH), era amigo da vítima. “Com a alegação de que precisava negociar droga, o Pedro atraiu o Luiz Carlos para o Campus da UFG, onde já estava junto com o Vinícius Alves Umbelino. Assim que ele chegou, os três fumaram maconha juntos, e, em determinado momento, o Vinícius se levanta, e dispara quatro vezes contra o Luiz Carlos”, relatou.

As imagens obtidas pela Polícia Civil mostram o assassinato, a dupla fugindo correndo a pé, e posteriormente entrando em um veículo Toyota Etios que estava estacionado nas proximidades. O carro usado na fuga, de acordo com as investigações, era dirigido por Pedro Henrique.

Três dias após o crime, Vinícius Umbelino foi morto em confronto com militares do Giro em Caldas Novas. Preso temporariamente, Pedro Henrique confirmou que estava com Vinícius no Campus, mas alegou que não sabia que ele executaria Luiz Carlos, versão contestada pelo delegado. “Nós temos informações que o Luiz Carlos já estaria temendo ser morto pelo amigo, e as investigações prosseguem agora somente no sentido de descobrirmos a real motivação do assassinato, se foi por dívida de drogas, ou disputa de território para o tráfico”, concluiu Marco Antônio Euzébio.

(maisgoias)