sexta, 18 de outubro de 2019

Pastor e outras três pessoas são denunciados por aplicar golpes através de pirâmide financeira

Pastor e outras três pessoas são denunciados por aplicar golpes através de pirâmide financeira
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Pastor e outras três pessoas são denunciados por aplicar golpes através de pirâmide financeira

 O pastor Gersil Caetano Rosa, seu filho, Fábio Gomes Caetano, o escrivão da Polícia Civil (PC), Adolfo de Freitas Filho, e a fiel Patrícia Castro Bessa, foram denunciados pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO) por associação criminosa, estelionato e crime contra a economia popular. Segundo o órgão, os golpes eram aplicados em Caiapônia, a 335 quilômetros de Goiânia, num esquema criminoso envolvendo pirâmide financeira.

 Na denúncia, feita pela promotora Teresinha de Jesus Paula e Sousa, consta que os acusados teriam prometido lucros através de negociações de barris de petróleo, por meio de uma empresa de fachada denominada Fuel Age. O grupo teria obtido R$ 500 mil contando com supostos investimentos feitos e valores repassados. Os investimentos variavam, de acordo com as vítimas, de R$ 480 a R$ 22.940,00.

 Até o momento, mais de 30 vítimas foram identificadas sendo eles moradores de Caiapônia, Jataí, Iporá, Doverlândia e Barra do Garças (MT). Algumas delas seriam fiéis da igreja que Gersil atuava. O MP destaca que o pastor e o filho pesquisaram o esquema de pirâmide financeira antes de aplicarem o golpe. Já Adolfo e Patrícia eram responsáveis de atrair os investidores para a empresa.

 Como forma de aparentar credibilidade, o grupo realizava encontros dentro da igreja para convencer as vítimas. Além disso, os acusados visitavam as casas e os trabalhos dos então investidores. Os repasses dos títulos de investimentos realizados pelas vítimas ficavam sob responsabilidade de Fábio. Ele os recebiam em casa e entrega senhas para que pudessem acompanhar o desempenho das aplicações. O grupo realizava, em média, 35 atendimentos por dia. Aos clientes, eles asseguravam que “as aplicações que estavam realizando eram seguras e não precisavam ter receio algum, pois os lucros seriam garantidos.”

 Após algumas aplicações, as vítimas procuravam os acusados para tentar resgatar o dinheiro investido. Porém, era alegado que o site da empresa estaria com defeito e que os lucros seriam repassados brevemente. Dias depois, as vítimas foram informadas que a empresa havia falido e que as quantias investidas não seriam resgatadas.

Da Redação

 Fique bem informado com as principais notícias do Jornal Gazeta do Estado, jornal impresso com circulação nos Estados de Goiás, Tocantins e Distrito Federal. Publicação de Edital de Protesto, Edital de Intimação, Edital de Notificação, Edital de Desmembramento, Edital de Retificação, Edital de Comunicação, Edital de Licitação, Edital de Pregão, Edital de Proclamas, Balanço e notícias de Goiás, Tocantins e Distrito Federal. O Jornal Gazeta do Estado possui Central de Distribuição em Goiânia, Brasília e Palmas. Acompanhe nosso site:

http://gazetadoestado.com.br