quarta, 26 de setembro de 2018

Duas cidades são alvo de novos ataques a banco em Minas Gerais

Duas cidades são alvo de novos ataques a banco em Minas Gerais
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Duas cidades são alvo de novos ataques a banco em Minas Gerais

Continua a onda de ataques a caixas eletrônicos em Minas Gerais. Após quatro cidades diferentes do Estado serem alvo de quadrilhas na madrugada de terça-feira (5), com um policial e um civil mortos e outros dois militares baleados, outros dois outros municípios registraram esse tipo de ocorrência na madrugada desta quarta-feira (6).

Segundo a Polícia Militar (PM), cerca de seis suspeitos fortemente armados chegaram na cidade de Nova Ponte, no Triângulo Mineiro, por volta das 4h20. A quadrilha estava dividida em três veículos, sendo um Toyota Corolla, um Volkswagem Gol e um SUV.

O bando arrombou a porta da agência do banco Itaú e danificaram o caixa, sem uso de explosivos. Durante a ação, o sistema de cortina de fumaça da agência bancária foi acionado, o que não teria impedido o crime. Apesar de não ter ocorrido disparos contra o quartel da PM, a unidade foi cercada pelos bandidos e os policiais de plantão precisaram aguardar a chegada no reforço dentro do prédio. 

Após o fim da ação, os policiais encontraram munições de calibre 9 mm, 556 e calibre 12 próximo à porta do banco.

Ainda no triângulo, desta vez na cidade de Itapagipe, que fica  a cerca de 3h30 de carro de Nova Ponte, uma quadrilha chegou em um Honda Civic prata praticamente no mesmo horário da ação na outra cidade, às 4h30. 

Os suspeitos explodiram a porta da agência da Caixa Econômica Federal e efetuaram disparos contra o banco Bradesco, ambos localizados no centro do município. A quadrilha chegou a apontar um laser em direção à viatura policial, porém, não chegou a haver tiroteio. 

Ainda não há informações se os bandidos conseguiram roubar alguma quantia durante as duas ações. Até esta tarde ninguém havia sido preso. 

(O Tempo)