segunda, 27 de maio de 2019

Caixa Econômica e Enel tentam novo acordo para viabilizar pagamento de contas em casas lotéricas

Caixa Econômica e Enel tentam novo acordo para viabilizar pagamento de contas em casas lotéricas
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Caixa Econômica e Enel tentam novo acordo para viabilizar pagamento de contas em casas lotéricas

Está agendada para esta segunda-feira (16) uma nova negociação entre Caixa Econômica Federal (CEF) e Enel Distribuição com intuito de evitar que consumidores precisem desembolsar R$ 2,80 para terem direito de pagar débitos de energia elétrica em casas lotéricas.

Na última semana, a distribuidora divulgou o término do contrato com o banco, bem como a falha na tentativa de acordo para continuidade do convênio, sem o custo adicional. Caso a diferença entre as empresas não chegue ao fim, 2,9 milhões de consumidores poderão ser afetados em Goiás.

Devem participar da reunião a superintendente regional do banco, Marise Fernandes de Araújo, e o presidente da companhia Abel Rochinha. Funcionária da Caixa Econômica informa que o “encontro” será por videoconferência entre a matriz do banco, em Brasília, e a sede da Enel, no Rio de Janeiro, mas até o momento nenhum horário foi estabelecido.

A nova investida de aproximação foi estabelecida pelo ex-governador Marconi Perillo na última sexta-feira (13), quando publicou a iniciativa em suas redes sociais. Na publicação, o tucano afirmou que ambas as partes reforçaram o interesse de firmar um acordo que “proteja seus clientes”.

Caso as partes não entrem em acordo, a partir do próximo 5 de agosto, conforme expõe a Enel, casas lotéricas, Correspondentes Caixa Aqui e agências bancárias da Caixa não receberão pagamentos das referidas contas. Uma opção é procurar quitar os débitos nos “mais de 1.700 arrecadadores distribuídos em todo o Estado em supermercados, farmácias ou grandes comércios”.

Segundo a Enel, o fim do acordo partiu da proposta de reajuste de 30% na tarifa cobrada pelo banco para receber faturas de energia em seus locais de atendimento. O valor, de acordo com a companhia privada representa 50% a mais do que o contratado pela Enel em canais semelhantes de bancos concorrentes. “Estes reajustes refletem inclusive nas tarifas de energia, atingindo diretamente os consumidores”, consta na nota.

(maisgoias)