terça, 23 de outubro de 2018

Após matar namorada a facadas e tentar suicídio, polícia pede prisão preventiva de suspeito

Após matar namorada a facadas e tentar suicídio, polícia pede prisão preventiva de suspeito
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Após matar namorada a facadas e tentar suicídio, polícia pede prisão preventiva de suspeito

O açougueiro Valdelício Santos, de 21 anos, está mantido sob escolta policial em um hospital em Barretos – SP, suspeito de matar a namorada a facadas e tentar suicídio após o crime. De acordo com a assessoria da unidade, o quadro de saúde dele é estável.

O rapaz foi preso em flagrante, após esfaquear a jovem Adriele Sena, de 22 anos. O delegado Rodrigo Souza Ferreira, responsável pela investigação na Delegacia de Defesa de Mulher (DDM), pediu a prisão preventiva dele à Justiça e ele responderá por feminicídio. A Polícia Civil informou que o açougueiro ainda não tem advogado constituído.

O corpo de Adriele foi enterrado nesta quarta-feira (29/08) no Cemitério Municipal de Guaíra. A cerimônia foi marcada por comoção e contou com a presença de muitos amigos.

Adriele, ex atleta de Judô, representou o Brasil em 2011 no Campeonato Mundial de Judô Sub 17. No ano seguinte, disputou o Campeonato Brasileiro Sub 17. Ela também ganhou medalha de bronze no XVI Jogos Sul Americanos Escolares, no Peru.

As informações estão nos sites da Confederação Brasileira de Judô e da Federal Paulista de Judô. O governo de São Paulo também confirma que Adriele foi uma beneficiada pelo Programa Bolsa Talento Esportivo, na categoria estudantil, em 2011.

Morte

De acordo com a polícia, o crime aconteceu na casa dos pais do suspeito, no bairro Tonico Garcia, na noite de terça-feira (28/08). Segundo o delegado, Adriele pretendia terminar o namoro com o rapaz devido às brigas constantes.

O casal estava junto há dez meses e morava junto há dois. As famílias decidiram marcar uma reunião para tentar ajudá-los a se reconciliar.

“A família foi para a cozinha e o casal ficou na sala. Nesse momento, ouviram um grito e ela saiu correndo em direção à rua já sangrando. Viram que ela tinha sofrido o ferimento a facadas e foram atrás dela”, diz Rodrigo.

Ela foi golpeada dez vezes e morreu no local. Em seguida, o suspeito foi achado ferido no interior do imóvel, com uma facada no abdômen e outra no pescoço.

“Chamaram a unidade móvel de atendimento. Nesse momento, voltaram até a residência e encontraram ele com um ferimento na barriga e outro no pescoço. Então, aparentemente, ele tentou se lesionar para se isentar da responsabilidade de homicídio”, diz o delegado.

O rapaz foi levado até um hospital em Barretos, onde segue internado.

Revolta

Durante o velório, o tio de Adriele disse que desconhecia o comportamento agressivo de Valdelício.

“Ele nunca se apresentou dessa forma para a família. Eu nunca tinha ouvido nem boatos. Sei que não tem justiça que pague a dor desse momento, mas que seja feito o que tem ser feito.”

Segundo o delegado, a jovem não chegou a denunciar o companheiro por agressões que tenha sofrido antes, mas outros familiares apontaram que as brigas entre o casal eram frequentes.

Após a morte de Adriele, conhecidos lotaram o perfil do suspeito em uma rede social com mensagens de revolta e tristeza, muitas estavam escritas em tom de ameaça.

Um amigo e professor de judô da jovem, Stefânio Stafuzza lamentou a morte violenta da aluna.

"Uma menina de uma garra excepcional, talento incrível, vai deixar muita saudade. Representou a seleção brasileira de base por quatro anos, por onde ia sempre trazia bons resultados e sempre enchia de alegria os lugares que passava."