sábado, 16 de fevereiro de 2019

Acusado de espancar senhora de 50 anos vai a júri popular hoje, em Caldas Novas

Acusado de espancar senhora de 50 anos vai a júri popular hoje, em Caldas Novas
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Acusado de espancar senhora de 50 anos vai a júri popular hoje, em Caldas Novas

Nesta quinta-feira (04/10), acontece o julgamento do último acusado de tentar matar Regina Célia Carneiro, que na época tinha 50 anos de idade. Wilson da Silva Ramos, conseguiu desvincular seu julgamento dos outros dois autores, já condenados, também em júri popular.

Wilson participou das agressões e da tentativa de homicídio e é amigo dos outros dois autores, que também foram autuados em flagrante por tentativa do crime de homicídio qualificado, com motivo torpe, meio cruel e sem possibilidade de defesa da vítima.

Recorde o caso

Em 29 de maio de 2016, Regina Célia Carneiro, de 50 anos, desapareceu, após deixar o trabalho, em um hotel de Caldas Novas. No dia seguinte, ela foi encontrada em um matagal na zona rural do município, com diversas lesões pelo corpo e suspeita de fratura no crânio.

Três homens foram presos, acusados de serem os autores deste crime bárbaro que indignou a população. Wilson da Silva Ramos, Gleisson Rodrigo Gonçalves e Luiz Antônio Gonçalves, presos em flagrante na casa em que moravam. Regina era vizinha de dois dos acusados.

Segundo a delegada Sabrina Leles, que à época era a delegada titular da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam), e que coordenou as investigações, a própria Regina denunciou os agressores. Regina já havia registrado uma ocorrência contra os vizinhos, por crime de ameaça.

Motivo fútil

Réus confessos, em depoimento disseram que a barbárie teria sido cometida em resposta a uma briga anterior com a vizinha. Regina foi raptada, colocada dentro de um carro, agredida fisicamente. Os três foram autuados por tentativa de homicídio.

Desabafo

Dona Regina ficou tetraplégica e precisa de ajuda para ficar sentada, e é acompanhada pelo Hospital Sara Kubistchek de Brasília. “É muito doloroso mostrar e ver, como minha mãe está hoje: tetraplégica, impossibilitada de cuidar da sua própria higiene”, desabafou a filha Kaline, nas redes sociais.

Por: Adriana Martins